Buscar
  • Kleber Del Claro

O Futuro da Revisão de Trabalhos Científicos por Pares.


Dominique Morneau , Senior Editor, Nature Research Group, comenta essa semana que um aspecto importante da revisão dos trabalhos científicos é considerar como melhorar a revisão por pares para continuar agregando valor ao processo científico.

Os membros do Conselho Editorial da Communications Biology estão na posição única de serem autores, revisores e editores, então Dominique Morneau pediu a alguns deles que avaliassem o futuro da revisão por pares.

Suas respostas foram editadas para maior clareza. Você verá que eles concordam com a necessidade de reduzir o viés inconsciente e dar crédito aos revisores por seu tempo e esforço. Ainda assim, cada um enfatiza aspectos diferentes para melhorar a revisão por pares.

Os Membros do Conselho Editorial que contribuíram foram:

Katie Davis, University of York, UK

Georgios Giamas, University of Sussex, UK

Quan-Xing Liu, East China Normal University, China

Na sua opinião, quais foram algumas das melhores inovações na revisão por pares?

Katie Davis: Revisões duplas cegas sem dúvida. É sabido que o viés inconsciente afeta o processo de revisão e a revisão por pares, cega, é uma solução boa. Espero que eventualmente seja uma opção para todas as revistas. Revisões completamente abertas são outra opção aqui, mas tenho preocupações com a confidencialidade, principalmente no que diz respeito a pesquisadores iniciantes se sentirem incapazes de ser honestos por medo de retaliação.

Georgios Giamas: Não tenho certeza se há alguma inovação considerável. No entanto, gosto da avaliação da revisão interativa que algumas revistas incorporam.

Quan-Xing Liu: Cada revisor tem sua própria opinião e escopo para os padrões científicos, conforme descrito no comentário do professor Raymond Goldstein sobre a revisão por pares em revistas biológicas. Em muitos casos, dois árbitros retornarão relatórios contraditórios para o mesmo manuscrito. Esse problema está sendo resolvido por alguns periódicos (por exemplo, eLife, Communications Biology) com novos processos de revisão por pares. A essência do processo de revisão do eLife é uma discussão on-line entre os árbitros e o editor de um artigo, para que eles cheguem a um único relatório de consenso - uma “carta de decisão” - enviada aos autores, o que evita o problema de relatórios conflitantes.

Como você gostaria que a revisão por pares evoluísse no curto e no longo prazo?

Katie Davis: Eu gostaria de ver os autores obrigados a fornecer dados em um formato utilizável e legível por máquina. Não necessariamente deve ser fornecido na publicação, pois pode haver boas razões para não disponibilizar todos os dados, mas acho importante que os revisores possam verificar o código e os dados quanto à qualidade. Isso também aceleraria o processo, pois causa atrasos significativos quando um revisor precisa solicitar alguns dados para poder concluir sua revisão.

Outra consideração é como podemos integrar pré-impressões, revisão por pares e os produtos finais em uma cadeia de acesso mais aberta, mantendo a confidencialidade e a qualidade. Eu certamente gostaria de ver mais periódicos incentivando as pré-impressões, pois são particularmente valiosas para os pesquisadores em início de carreira.

Georgios Giamas: Gostaria de ver um tempo de resposta mais curto. Também acho que o julgamento / decisão dos editores não deve se basear apenas nos comentários de alguns revisores. Em vez disso, é necessária uma função mais ativa e maior responsabilidade pelo editor.

Quan-Xing Liu: a revisão por pares é um processo indispensável ao desenvolvimento científico que garante a qualidade dos artigos e a precisão dos experimentos pesquisados ​​desde que foi empregado pela primeira vez em 1665 pelas Transações Filosóficas da Royal Society . Não tenho ideia de como alterar o processo de revisão por pares a curto e longo prazo no futuro, mas eu diria que avaliar o trabalho de outro pesquisador aprimora as habilidades de pensamento crítico para autores e revisores. Também é necessário que os editores tomem decisões que não são simplesmente baseadas na “contagem de votos” para rejeição ou revisão. Isso está funcionando bem em nosso processo de revisão por pares na Communications Biology. De minhas experiências, o feedback mais construtivo vem de especialistas de diferentes formações acadêmicas e, portanto, como editor, tento buscar diversos revisores para avaliar nossos manuscritos.

Como podemos manter a alta qualidade na revisão por pares em novos modelos de revisão?

Katie Davis: Eu acho que manter algum nível de escolha é importante aqui. Pode haver boas razões para os pesquisadores iniciantes desejarem manter o anonimato ao revisar. A imposição de revisões abertas completas pode resultar em uma diminuição na aceitação de convites para revisão, e já é difícil proteger os revisores. Para revisões abertas em que os comentários dos revisores são públicos, acho que os editores precisam ter cuidado para não publicar nenhum comentário que não seja construtivo. Infelizmente, já vi muitos comentários (como autor e como editor) que não devem ser publicados.

Georgios Giamas: Os editores não devem enviar outros manuscritos aos revisores que já revisaram artigos do mesmo grupo (se eles os aceitaram ou rejeitaram), por um período específico (por exemplo, por ~ 2 anos). Além disso, e isso é mais importante para artigos rejeitados, os autores devem ter acesso aos comentários que estão sendo enviados atualmente apenas aos editores.

Quan-Xing Liu: Sugiro que árbitros e editores trabalhem juntos para escrever a carta de decisão. Nem todos os comentários são equivalentemente importantes para ajudar os autores a melhorar seus manuscritos. A revisão por pares transparente é outra excelente maneira de incentivar os árbitros a apresentar suas principais críticas e ajudar os leitores a enxergar diferentes perspectivas, e quais preocupações e revisões são importantes nos artigos publicados.

Como você gostaria que a revisão por pares fosse recompensada?

Katie Davis: Esse é um ponto interessante, pois levanta a questão de como podemos recompensar a revisão por pares, mantendo o anonimato (se desejado). Os periódicos podem registrar e publicar o número de revisões que cada revisor contribuiu (embora não o manuscrito revisado sem permissão explícita). Ainda pode ser necessário pensar cuidadosamente no anonimato aqui, caso os revisores individuais possam ser identificados. Provavelmente, isso é mais um problema se as revisões estiverem abertas, pois acho que isso pode levar à perda do anonimato. Embora resenhas completamente abertas e transparentes pareçam o ideal, acho que há o risco de que alguns revisores - acadêmicos desproporcionalmente juniores - se sintam incapazes de ser completamente honestos em suas resenhas sem a segurança do anonimato.

Eu acho que algum tipo de recompensa financeira poderia ser apropriado, não na forma de dinheiro, mas talvez um pequeno crédito para futuros custos de publicação? Pessoalmente, eu consideraria isso um grande incentivo, mesmo que o crédito seja bastante pequeno. Os créditos podem até ser transferíveis entre os editores, por exemplo, um crédito para revisar um manuscrito de Communication Biology e um crédito para revisar um manuscrito da Nature Communications pode ser combinado como dois créditos para qualquer journal do grupo Nature Research. Na tentativa de acelerar o processo de revisão, a recompensa só poderá ser creditada se a revisão for devolvida dentro do prazo acordado (!).

Georgios Giamas: algumas revistas já têm o reconhecimento da "revisão do mês". Como atualmente os autores estão recebendo muitos pedidos de revisão, deve ser dada motivação adequada. Infelizmente ou não, deve ser uma recompensa financeira: por exemplo, quantia x por concluir 3-5 revisões, quantia y por> 5 ... dentro de um período de tempo específico.

Quan-Xing Liu: Esta é uma sugestão inovadora. Mas isso dependeria do benefício oferecido. Sugiro que os revisores que fornecem relatórios de alta qualidade possam publicar um de seus manuscritos na Communications Biology (um modelo usado por outras revistas, como o PNAS). Isso poderia incentivar os árbitros a retornar relatórios completos e construtivos e a se juntar às equipes de revisores.

Veja mais em

https://natureecoevocommunity.nature.com/users/170082-dominique-morneau/posts/53842-the-future-of-peer-review?utm_source=newsletter_mailer&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter


34 visualizações
SOBRE NÓS

A Comunidade dos

Cientístas Livre Pensadores

Trabalhando pela divulgação e popularização da Ciência!

LOCALIZAÇÃO

(34) 

38411-212

cienciaqnf@gmail.com

CONECTE-SE
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Google+ Icon
  • Grey Instagram Icon

© Kleber Del Claro & Co. Orgulhosamente criado com Wix.com